sábado, 21 de junho de 2008

Multinacionais aproveitam-se do trabalho escravo de 400 milhões de crianças no mundo

Estima-se que o trabalho infantil atinja 400 milhões de crianças e adolescentes no mundo. Não existem cifras exactas porque se trata de uma actividade ilegal realizada em extremo segredo. Ainda mais devido às condições de trabalho destas crianças e adolescentes, similar a de escravos, o que torna reduzido o custo dos produtos confeccionados em países em desenvolvimento, pródigos em mão-de-obra abundante e barata. Fora da vista dos ocidentais e dos rígidos códigos de ética comercial, industrias de brinquedos espalhadas nos países asiáticos possuem como base o trabalho infantil, cuja produção é comprada sem a preocupação com a procedência ou condições de fabricação por empresas multinacionais de origem estadunidenses como Walt Disney, McDonald´s e Nike. O caso mais exemplar são das fábricas na China, onde trabalham 70 milhões de crianças e adolescentes, a maioria filhos de camponeses que migram à cidade para ajudar no orçamento familiar doméstico. O país asiático é o maior exportador de brinquedos do mundo, com vendas calculadas em 2001 em mais de 6 biliões de dólares anuais, a partir de aproximadamente 6 mil fábricas situadas na maior parte na chamada "terra dos brinquedos", a província de Guangdong (sudeste do país). Deste local procedem por exemplo o boneco "Buzz Lightyear" (do desenho "Toy Story"), um dos mais populares da Walt Disney, e os brinquedos que esta companhia distribui nos McDonald´s de todo o mundo. Uma ampla gama de produtos da Mattel, a fabricante da Barbie, também procedem de Guangdong. Por estes indicativos, a ONG China Labour Watch resolveu investigar as condições de trabalho na fábrica Merton (situada na cidade de Sangyuan) e que abastece a McDonald´s, Disney, Mattel e Warner Brothers utilizando mão-de-obra infantil. Na seção de coloração, por exemplo, as jornadas são de 14 horas diárias em média. As equipes de pulverização do "Buzz Lightyear" ganhavam cerca de 13 centavos de dólar por hora (0,1 euro), e durante as entrevistas os empregados se queixaram de queimaduras nas manos, causadas por solventes químicos, e de enjôos crónicos. "Nem o código de conduta mais estrito vai alcançar resultado algum nos países onde os governos não colocam em prática os direitos trabalhistas fundamentais", assegura a organização internacional Oxfam em informe sobre o tema, explicando ainda que as pressões pelos preços que as multinacionais exigem dos sub-contratantes e os rigorosos prazos de entrega "tornam impossível muitas vezes se oferecer salários dignos e condiciones de trabalho razoáveis". * Com informações de solidaridad.net"

Copiado de http://www.adital.com.br/site/noticia2.asp?lang=PT&cod=10766


Veja mais sobre este assunto em:

http://video.google.com/videoplay?docid=-3076138835044484743&hl=pt-PT

Sem comentários: