sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

A criação dos frangos para a indústria alimentar

O livro "Libertação Animal" do filósofo e bioético Peter Singer, além de "desmascarar" muitas das experiências em animais com factos sérios e reais também revela muito do que se faz nas unidades de criação intensivas, de onde vem a maior parte da carne consumida pela população humana.
Só para dar um cheirinho aqui está uma parte que fala das condições a que as galinhas estão sujeitas no aviário durante a sua curta vida:

"A atmosfera em que as aves têm de viver contitui, só por si, um risco para a saúde. Durante as sete ou oito semanas em que as aves estão nos aviários, não é feito qualquer esforço no sentido de mudar o feno empregado como cama ou retirar os excrementos acumulados. Embora exista ventilação mecânica, o ar fica carregado com o cheiro de amoníaco, o pó e os microorganismos. Existem estudos que demonstram que, como seria de esperar, o pó, o amoníaco e as bactérias têm efeitos nocivos sobre os pulmões das aves.20 O departamento de saúde pública da Universidade de Melbourne, na Austrália, realizou um estudo sobre os perigos sanitários representados sobre este ambiente para os criadores de frango. Concluiu-se que 70 por cento dos avicultores se queixavam de congestionamento ocular, quase 30 por cento afirmavam tossir frequentemente, e cerca de 15 por cento sofriam de asma ou bronquite crónica. Como resultado, os investigadores advertiam os avicultores para que estes passassem o menor tempo possível dentro dos aviários e colocassem máscaras quando ali entrassem. O estudo porém não faz qualquer referência à necessidade de máscaras para as galinhas.21
Quando as aves são obrigadas a ficar de pé e a sentar-se sobre uma cama suja, em decomposição e carregada de amoníaco, desenvolvem também úlceras nas patas, feridas nos peitos e queimaduras nos jarretes. Os pedaços de frango vendidos separadamente são, frequentemente, as partes que se aproveitam de aves feridas cujos corpos não podem ser vendidos inteiros. As feridas nas patas, no entanto, não constituem problema para a indústria, uma vez que, de qualquer forma, as patas são cortadas após o abate."

Se por acaso estiver interessado em comprar o livro, sugiro que o compre através do site da associação Animais de Rua, deste modo além de comprar o livro também ajuda animais abandonados.


20. G. Carpenter et al., "Effect of Internal Air Filtration on the Performance of Boilers and the Aerial Concentrations of Dust and Bacteria", British Poultry Journal 27: 471-480 (1986)

21. "Air in Your Shed a Risk to Your Health", Poultry Digest, Dezembro/Janeiro de 1988

Sem comentários: